O “Amazonas for the planet program”, lançado pelo Governo do Amazonas na 23ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática (COP23), em Bonn, na Alemanha, foi destaque nesta sexta-feira (17/11), no encerramento do evento. Com a participação de 197 países empenhados em reduzir emissões de gases do efeito estufa e o aumento da temperatura global, o Amazonas mostrou, por meio do programa e participações em diversos fóruns de discussões dentro da COP23, que está comprometido em fortalecer a governança ambiental e combater as mudanças climáticas.

De acordo com o titular da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema) e diretor-presidente do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam), Marcelo Dutra, organismos internacionais demonstravam preocupação com a baixa governança ambiental apresentada pelo Amazonas nos últimos anos. Porém, após a apresentação das intenções do Estado e o detalhamento do “Amazonas for the planet program”, organismos internacionais passaram a ver o trabalho do Governo do Amazonas como estratégia confiável de governança de curto e longo prazos para a nova gestão ambiental a ser implementada.

“A preocupação do planeta era com a baixa governança que o Amazonas estava apresentando nos últimos anos. Mas, a partir da apresentação do `Amazonas for the planet program’, autoridades renomadas em meio ambiente viram o esforço do Governo do Amazonas como estratégia em potencial de novos rumos para gestão ambiental no curto e longo prazos. E isso recuperou a confiança em nosso Estado que certamente será protagonista em iniciativas pioneiras para a agenda ambiental”, disse.

Participação efetiva – Durante a COP23, o grupo de trabalho do Amazonas teve importantes agendas com investidores e instituições de pesquisa e desenvolvimento internacionais que podem aportar recursos na gestão ambiental do Estado. Entre elas, a Sustainable Carbon, que já investe na compra de créditos de carbono em pequenos projetos no Amazonas.

As organizações se comprometeram a ampliar os investimentos e criar novas linhas de financiamentos para atividades sustentáveis, incentivando iniciativas do setor privado que reduzam as emissões de CO2 no Amazonas, o que coloca o Estado como protagonista do Brasil no cumprimento das metas estabelecidas no Acordo de Paris e em negociações em Bonn.

Em reuniões com investidores interessados em aportar recursos na construção de sistemas de gestão de unidades de conservação, que totalizam mais de 20 milhões de hectares somente nas áreas de responsabilidade do Governo do Amazonas, foi afirmada a confiança para investimentos na gestão do governador Amazonino Mendes para o meio ambiente.

A Andes Amazon Fund (AAF), que gere um fundo de investimentos de organizações norte-americanas, como a Bluemoon, de Nova York e Moore Fundation, da Califórnia, firmou com o grupo de trabalho do Amazonas, a intenção de investir recursos na gestão e desenvolvimento de atividades sustentáveis em pelo menos 3 milhões de hectares de unidades de conservação do Estado. No início de dezembro, a Andes Amazon Fund vai reunir com a Sema, em Manaus, para dar início a mais essa parceria de captação e investimentos no Estado.

“A participação do Amazonas na COP23 foi exitosa. Firmamos importantes parcerias e intenções de cooperação com instituições que podem colaborar com recursos para políticas públicas ambientais que levem maior qualidade de vida através de serviços, investimentos e programas que foquem na inclusão social e na valorização dos serviços ambientais da floresta como reconhecimento do esforço de preservação que inúmeras gerações desempenharam para que o Amazonas tenha hoje mais de 97,5% de sua floresta preservada”, destacou Dutra.